ELEIÇÕES UESB: Candidata Márcia Lemos quer voto universal, reformulação do estatuto e combate às opressões

Nesta segunda-feira (09), a Mega Rádio VCA encerrou as entrevistas com os representantes das chapas candidatas à reitoria da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) após bate-papo com Márcia Lemos. A representante da chapa "Tempo de Replantar Sonhos" é professora de História pelo Departamento de Filosofia e Ciências Humanas (DFCH). Ela implantou, entre outras coisas, a reforma curricular do curso e um acompanhamento individualizado das(os) discentes. Além disso presidiu a Associação dos Docentes da Uesb (Adusb) entre 2015 e 2017.

Em entrevista para os jornalistas Joabson Silva e Lucas Tinôco, Márcia falou sobre propostas, contingenciamento e desafios que terá caso assuma a posição de reitor.

Propostas

Márcia falou sobre várias das propostas que ela tem para o caso de vencer as eleições. Entre as principais estão a ideia de uma Universidade mais democrática e transparente, além de inovações para o Plano Diretor Geral, reformulando o atual estatuto.

Quando ela diz democrática, tem a ver com o voto universal. Atualmente, os votos do alunos vale apenas 1/3 nas eleições para a reitoria. Márcia considera completamente anti-democrático esse peso, já que a comunidade discente é de aproximadamente 13 mil, enquanto professores e técnicos administrativos não chegam a 2 mil pessoas.

Vê como necessária uma gestão mais transparente, destacando o momento vivido pelo país com a "Lava Jato", que revelou grandes escândalos de desvio do dinheiro público. Para ela, em tempos como este, toda a população precisa ficar inteirada quanto aos recursos da instituição.

Contingenciamento

Márcia, assim como Daniel de Melo, falou sobre a porcentagem da Receita Líquida do Tesouro do Estado destinada às Universidades estaduais, que atualmente é de 5% dos quais 21% vão para a Uesb, e ressaltou que o valor, que é abaixo do necessário, ainda vem contingenciado.

Para resolver a questão, ela considera necessário interferir diretamente da Lei de Diretrizes Orçamentárias. Os problemas relativos ao orçamento, no entanto, não serão solucionados a curto-prazo, enfatiza a Doutora em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Desafios

Entre os principais desafios colocados pela historiadora, estão a necessidade de um diagnóstico para combater a evasão dos seus alunos. O problema, inclusive, foi destacado tanto por Daniel de Melo quanto por Luiz Otávio. Além disso, uma das últimas edições do jornal laboratorial de impresso do curso de Comunicação Social da Uesb, deu ênfase à grande questão da permanência estudantil.

Além disso, Márcia ressaltou os problemas da disparidade entre os campi. Ela considera a Chapa 03 como "multicampi" e que, o equilíbrio de investimentos precisa ser uma prioridade.

Por fim, e não menos importante, a chapa tem como um dos principais objetivos combater as diversas formas de opressão, dando espaço para um setor destinado exclusivamente para este tipo de problema, no qual a vítima ficaria totalmente no anonimato. Somado a isso, oferecer projetos pedagógicos com o intuito de reeducar os opressores.

Confira a entrevista com o candidato da chapa “Tempo de Replantar Sonhos” na íntegra: