Organização do Lollapalooza será denunciada por trabalho escravo

O (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões do Estado de São Paulo (Sated-SP) fará denúncia ao Ministério Público do Trabalho

A organização do Lollapalooza será denunciada pelo Sated-SP(Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos e Diversões do Estado de São Paulo) por recrutar trabalhadores em situação análoga à escravidão, segundo a Folha de S. Paulo.

A denúncia será feita ao Ministério Público do Trabalho, e se baseará em situações reveladas pelo próprio jornal, em que moradores de rua foram recrutados para montagem dos palcos, trabalhando por 12 horas por R$ 50 reais. De acordo com a CLT, o salário pela jornada de um dia de trabalho, de 8 horas, é de R$ 38,80. Com pagamento de horas extras, por 12 horas, o salário ficaria em torno de R$ 68. 

As denúncias à produtora T4F não são novas; em 2018, também para a montagem do Lollapalooza, a empresa foi acusada de empregar trabalhadores em situações vulneráveis, sem contrato, e fornecer um ambiente de trabalho sem banheiros. 

A reportagem da Folha que revelou a situação dos trabalhadores (leia aqui) divulgou que os empregados não tinham contrato e dormem em abrigos para adultos.  

Procurada pela reportagem da Folha de S. Paulo, a T4F ainda não se pronunciou sobre a ocorrência. 

Omelete

Comentários