Caminhoneiros cogitam nova greve e reclamam de propostas do governo

Diversos membros da categoria avaliaram a falta de eficácia da medida

Tudo indica que as recentes medidas anunciadas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para melhorar o transporte de cargas pelo país não agradou os caminhoneiros.

Após o anúncio de uma linha de crédito de até R$30 mil para caminhoneiros autônomos, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), diversos membros da categoria avaliaram a falta de eficácia da medida. 

"É melhor do que nada, mas é esmola. Trinta mil reais não dá para 15 pneus. O caminhoneiro precisava de uma linha de crédito de R$ 200 mil", disse o Diretor do Sindicato dos Caminhoneiros de Ourinhos, interior de São Paulo, Ariovaldo Junior Almeida, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

De acordo com fontes ligadas aos caminhoneiros, uma nova paralisaçãa parecida com a que houve ano passado não está descartada. 

“Não irei incentivar jamais, mas, enquanto não houver o cumprimento da fiscalização da jornada de trabalho, paralisações podem ser deflagradas a qualquer momento, por qualquer motivo”, destacou o caminhoneiro Ivar Schmidt, líder do Comando Nacional de Transporte, em entrevista ao Correio Braziliense

Segundo o Brasil 247, os caminhoneiros estão organizando nova paralisação nacional para 21 de maio, quando se completa um ano da greve que abalou o governo Temer em 2018. O movimento acontecerá se houver qualquer reajuste no óleo diesel e se o piso mínimo do frete continuar a ser desobedecido.


 

Comentários