CPI propõe indiciamento de Bolsonaro por charlatanismo e curandeirismo

Presidente foi um dos principais propagadores do uso de remédio sem eficácia contra a Covid

Foto: Carolina Antunes/PR


A CPI da Covid vai sugerir o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelos crimes de curandeirismo, charlatanismo, de epidemia e de publicidade enganosa, entre outros.

Somados, eles podem resultar em uma pena máxima superior a 18 anos de prisão.

A medida foi discutida nesta quarta (11) entre o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), o vice-presidente, Randolfe Rodrigues, e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL). A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo.

VEJA TAMBÉM: Veja como votaram os deputados federais baianos na PEC do voto impresso

Depois de concluir seus trabalhos, a CPI faz um relatório e encaminha ao Ministério Público Federal com sugestões de indiciamento daqueles que entender que cometeram crimes.

De acordo com Renan Calheiros, a decisão foi tomada depois do depoimento do diretor da farmacêutica Vitamedic, Jailton Barbosa, em que ficou claro que a empresa patrocinou a publicidade da ivermectina como se ela tivesse efeito contra o coronavírus, o que não é verdadeiro.

Bolsonaro foi um dos principais propagadores do uso do remédio no tratamento da doença.

Metro1

Comentários