Michelle fez pedido à Caixa para liberação de empréstimos a amigos empresários, diz revista

Primeira-dama agiu pessoalmente para favorecer grupos adeptos ao bolsonarismo no auge da pandemia, informa reportagem da Crusoé

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil


A primeira-dama Michelle Bolsonaro agiu pessoalmente para favorecer, com empréstimos liberados pela Caixa, empresários bolsonaristas e pessoas próximas à família durante a pandemia, informa reportagem da revista Crusoé. Documentos obtidos pela publicação mostram que o gabinete de Michelle chegou a registrar as demandas por email, ao mesmo tempo que seus assessores atuaram como despachantes para facilitar o processo.

Segundo a revista, a própria Michelle chegou a tratar do assunto em uma conversa com o presidente do banco, Pedro Guimarães, um dos mais entusiasmados e diligentes auxiliares de seu marido, Jair Bolsonaro (sem partido).

VEJA TAMBÉM: Sua família não é melhor que a minha, diz senador alvo de frase homofóbica a bolsonarista na CPI

De acordo com a Crusoé, a maioria das operações de empréstimo se deu em uma agência de Taguatinga, cidade vizinha a Brasília, após a equipe de Pedro Guimarães encaminhar as demandas da primeira-dama. Praticamente todos os pedidos, segundo documentos da própria Caixa, foram atendidos logo em seguida.

A lista de agraciados tem de tudo um pouco, narra a reportagem. Por exemplo, o florista que atende Michelle, a confeiteira que fornece bolos e doces para festas palacianas e ficou íntima da primeira-dama, a cabeleireira da amiga e um promoter conhecido por organizar recepções para os atuais integrantes da corte brasiliense. Inclui também empresárias do ramo da moda que contam com os préstimos da família presidencial para divulgar suas marcas nas redes sociais.

A Crusoé diz ter procurado ana quianta-feira (30) a assessoria da primeira-dama, que teria se prontificado a responder as cinco perguntas enviadas nas horas seguintes. Depois, afirma a revista, desapareceu.

A Caixa, por sua vez, limitou-se a enviar uma nota com uma manifestação genérica, que passa ao largo das perguntas pontuais sobre os pedidos feitos pela primeira-dama e sobre o papel do presidente do banco, Pedro Guimarães, na liberação dos empréstimos.

METRO1

Comentários