Ivete prepara Carnaval particular e assunto vira polêmica nas redes

Cantora alugou Centro de Convenções para fazer festa em fevereiro, enquanto Bahia não confirma folia de rua. Proposta tem recebido críticas

Foto: Elias Dantas/Ag. Haack


O ano de 2022 pode marcar a retomada do principal evento turístico do calendário baiano: o Carnaval de Salvador. Mas a festa permanece em suspenso. Ainda reticentes por causa da pandemia da Covid-19, a prefeitura da cidade e o governo do estado da Bahia ainda não confirmam o tradicional desfile de blocos e trios elétricos nos circuitos Barra-Ondina e Campo Grande. Enquanto isso, um dos principais nomes da festa tenta garantir que a folia volte ao calendário baiano: Ivete Sangalo alugou o Centro de Convenções da Boca do Rio para um Carnaval particular em fevereiro.

O evento é uma parceria entre a IESSI Music Entertainment, empresa da cantora, e o grupo San Sebastian. Nos bastidores, comenta-se que a festa carnavalesca terá seis dias de duração. Ivete, claro, é nome mais do que confirmado no evento, mas há a expectativa de que outros nomes sejam anunciados para o line up da folia. Procurada, a assessoria da artista disse à coluna LeoDias que ainda não tem informações oficiais sobre o projeto.

 

VEJA TAMBÉM: Salgadinho e Péricles lançam música com composição de Ronaldinho Gaúcho

 

Divergência 

O Carnaval particular de Ivete tem dividido opiniões. O cantor e deputado federal Igor Kannário é um dos críticos da proposta. “Quer dizer que vai ter Carnaval para os ricos e não vai ter Carnaval para os pobres, que pagam impostos e sustentam essa porra toda?”, questiona o músico, também muito popular na capital da axé music.

“Ivete, máximo respeito, nada contra você, tá, rainha? Nada contra você, se eu tivesse alguma coisa contra você, eu já tinha falado. Tá bom? Mas, peraí! Como que Ivete tem o poder de alugar o Centro de Convenções, fazer seis dias de Carnaval, e a prefeitura e o governador não pode pegar a Fonte Nova ou o Parque de Exposições, alugar também, e fazer seis dias de Carnaval pro povo da maloca?”, questiona Kannário, que vê discriminação e “separação de classes” no episódio.

“Eu acho que os blocos afro, de samba, os blocos de axé, a galera da pipoca não podem aceitar isso. Não pode engolir isso seco, não! Beleza, o dinheiro é de Ivete, beleza! Se eu tivesse o dinheiro que Ivete tem, eu ia fazer o Carnaval pra maloca!”, afirma Kannário, que segue a linha de raciocínio: “Falta de respeito com o povo, viu?”.

Também consultamos a assessoria de Ivete Sangalo a respeito das críticas de Igor Kannário. Por mensagem, a assessora disse que a cantora não tem “nada a declarar”.

Léo Dias/Metrópoles

Comentários