Túmulo do cantor baiano Waldick Soriano, morto em 2008, está abandonado no Rio de Janeiro

A música de maior sucesso de Waldick é a canção Eu não sou cachorro não, embora atualmente o título soe extremamente irônico, diante o descaso do seu túmulo

Foto: Reprodução YouTuber


O túmulo do ícone da música brega, Waldick Soriano, está completamente abadonado no cemitério São Francisco Xavier, popularmente conhecido como cemitério do Caju, no Rio de Janeiro. Nascido em 1933, Caetité, no sudoeste da Bahia, Waldick morreu em 4 de setembro de 2008, vítima de um câncer de próstata, diagnosticado dois anos antes. 

Em um vídeo gravado pelo youtuber Carlos, do canal 'Carlos, me explica isso', é possível ver o atual estado do túmulo do cantor — com rachaduras, semiaberto e sem identificação na lápide (informações como o ano de nascimento e de morte foram completamente apagados). 

Só é possível saber que aquele é o túmulo do cantor em função da numeração (53.817) e do QR-Code, que fornece informações a partir de um mecanismo de leitura do celular. De tradição boêmia, Eurípes Waldick Soriano deu voz a sucessos como "Tortura de amor", "Paixão de um homem", "A Dama de Vermelho". 

Seu arrasa-quarteirão é a canção "Eu não sou cachorro não", embora atualmente o título soe extremamente irônico, diante o descaso do seu túmulo.

Indignados com a situação, depois da publicação do vídeo, um grupo de baianos entrou em contato com a adminitração do cemitério e exigiu providências para o reparo. O gerente prometeu ver a situação pessoalmente e dar um retorno.

metro1

Comentários