Pai que perdeu filha de 7 anos para a Covid em Ribeirão Preto, SP, celebra inclusão de crianças na vacinação

Médico Rodolfo Silva tem mais dois filhos pequenos - um deles poderá ser vacinado. Primeiro lote pediátrico da Pfizer deve chegar ao país em 13 de janeiro, segundo Ministério da Saúde

Foto: EPTV/Reprodução


O médico de Ribeirão Preto(SP) Rodolfo Aparecido da Silva, pai de Alicia, que morreu aos 7 anos com Covid-19, está feliz e aliviado com a inclusão das crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Vacinação pelo Ministério da Saúde.

Além de Alícia, que morreu em janeiro do ano passado, Silva também tem outros dois filhos: uma menina de três anos e um menino de 11, que poderá receber as doses da Pfizer.

"Estamos vibrando aqui. Ele vai fazer 12 anos e estava torcendo para isso. Se Deus quiser, [a vacinação] rapidinho já vai começar. Minha outra filha ainda não entra, mas logo logo, vai entrar", comemorou.

Em dezembro, após a autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para vacinar os mais novos, Silva afirmou que já tinha passado da hora de liberar a imunização infantil.

"Continuo achando que podia ter liberado isso antes, mas graças a Deus não demorou muito. Estamos falando de dezembro e já no início de janeiro está liberado. Fico feliz. Tem aumentado muito os casos de Covid novamente".

 

VEJA TAMBÉM: Em meio a avanço da ômicron, EUA batem recorde de crianças internadas com Covid

 

O médico alertou para o fato de que crianças, muitas vezes, não falam o que estão sentindo e, por isso, a vacina é a maior proteção que os pais podem oferecer.

"Nem sempre a criança vai falar oque está sentindo por medo de remédio, injeção. Vacinar é o que vai fazer a diferença. A gente nasce e já ganha vacina. É a diferença que pode salvar a vida das pessoas".

G1

Comentários